Localização

Endereço:
Rua Demétrio Ribeiro 1230, esq. com Bento Gonçalves - Bairro Guarani - Novo Hamburgo, RS.
Veja o Mapa

Fones:
Neidi: 96829178
Felipe: 97408758
Gabriel: 93804048
 

Como Chegar
Para quem vem de fora de Novo Hamburgo, pegar o trem até a última estação (Santo Afonso), depois pegar ônibus até o centro, parando no Big. Pegar o ônibus Vila Nova e pedir para descer em frente ao Centro Social Urbano no Bairro Guarani




Amigos e Parceiros


Búfalo Branco

Artigos

O Despertar de uma Nova Consciência

Toda forma de vida em qualquer reino estudado pelas ciências naturais – mineral , vegetal, animal e humano; pode passar pelo processo de iluminação.

O que poderia ser mais pesado e mais impenetrável do que uma rocha, a mais densa de todas as formas? Ainda assim, algumas rochas passam por uma mudança na sua estrutura molecular, convertendo-se em cristais, tornando-se transparentes à luz. Há carbonos que, sob uma pressão e um aquecimento extraordinário viram diamantes, enquanto determinados minerais pesados se transformam em outras pedras preciosas.

Quase todos os répteis, as mais terrenas de todas as criaturas, permaneceram imutáveis por milhões de anos. Alguns deles, contudo, desenvolveram penas e asas e se transformaram em aves, desafiando assim a força da gravidade, que os dominara por tanto tempo. Não é que eles tenham apenas passado a rastejar e caminhar melhor – esses animais transcenderam completamente a capacidade de realizar esses dois tipos de movimento.

Desde os tempos imemoriais, as flores, os cristais, as pedras preciosas e as aves têm um significado especial para o espírito humano. A exemplo de todas as formas vivas, esses elementos são, é claro, manifestações temporárias da vida subjacente as Consciência Única.

 

Seremos capazes de perder a densidade das nossas estruturas mentais condicionadas e nos tornar como cristais e pedras preciosas, isto é, transparentes à luz da consciência? Conseguiremos desafiar a atração gravitacional do materialismo e da materialidade e permanecer acima da identificação com a forma, que mantém o ego imóvel e nos condena à prisão dentro da nossa própria personalidade?

A possibilidade de ocorrer uma transformação desse tipo tem sido a essência dos ensinamentos de grande sabedoria da humanidade. Os mensageiros – Buda, Jesus e outros, nem todos conhecidos, foram as primeiras flores do gênero humano. São chamados precursores, seres raros e preciosos.

 

Um ponto essencial do despertar é a identificação daquela parte em nós que ainda não se modificou, o ego da maneira como ele pensa, fala e age, assim como o reconhecimento do processo mental condicionado coletivamente que perpetua esse estado não desperto. Quando você descobre a consciência em si próprio aquilo que torna o reconhecimento possível é o surgimento da consciência, é o despertar. Você não pode lutar contra o ego e vencer, assim como não consegue combater a escuridão. A luz da consciência é tudo o que é necessário. Você é essa luz.

 

 

Um distúrbio herdado

 

Se examinarmos mais detidamente as antigas religiões e tradições espirituais da humanidade, veremos que, por baixo de grande parte das diferenças superficiais que elas apresentam, há duas idéias centrais com as quais a maioria delas concorda.

De acordo com Buda, a mente humana no seu estado normal produz “dukkha”, termo páli que pode ser traduzido como sofrimento, insatisfação ou tristeza, entre outros. Para ele essa é uma característica da condição humana. Não importa onde vamos e nem o que façamos, disse o mestre, encontraremos dukkah, e isso se manifestará em todas as situações cedo ou tarde.

De acordo com os ensinamentos cristãos, o estado coletivo normal da humanidade é o de “pecado original”. A palavra “pecado” tem sido incompreendida ao longo dos séculos. Traduzida de forma integral do grego antigo, idioma em que o Novo Testamento foi escrito originalmente, ela significa erra o alvo, como na situação de um arqueiro que falha em atingir ponto de mira. Corresponde a viver de uma maneira desorientada, cega e, portanto sofrer e causar sofrimento. Uma vez mais essa palavra, despojada de sua bagagem cultural e de sentidos equivocados, indica o distúrbio inerente à condição humana.

As conquistas da civilização são admiráveis e inegáveis. Criamos obras sublimes de música, literatura, pintura, arquitetura e escultura. Mais recentemente, a ciência e tecnologia estabeleceram mudanças radicais na maneira como vivemos e nos capacitaram a produzir inventos que teriam sido considerados miraculosos até mesmo 200 anos atrás. Não há duvida: a mente humana possui um altíssimo grau de inteligência. Ainda assim, essa inteligência é tingida pela loucura. A ciência e a tecnologia aumentaram o impacto destrutivo que o distúrbio da mente humana tem sobre o planeta, sobre as outras formas de vida e sobre as próprias pessoas. Por isso é na história do século XX que essa disfunção, ou essa insanidade coletiva, pode ser reconhecida com mais nitidez. Um fator adicional é que essa perturbação está de fato se intensificando e se acelerando.

 

Os seres humanos sofreram mais nas mãos uns dos outros do que em decorrência de desastres naturais. Em 1914, a mente humana altamente inteligente inventou não só o motor de combustão interna como também bombas, metralhadoras, submarinos, lança-chamas e gases venenosos. A inteligência à serviço da loucura! Nas trincheiras estáticas da guerra na França e na Bélgica, milhões de homens pereceram para ganhar alguns poucos kilometros de lama.

 

No fim do século XX, o número de pessoas mortas violentamente pela mão de outras chegou a mais de 100 milhões. Essa mortes foram causadas não apenas por guerras entre países, mas também pelo extermínio em massa e o genocídio, com a execução de 20 milhões de “inimigos de classe”, espiões e traidores” na União Soviética, durante o governo de Stálin, e o Holocausto na Alemanha nazista, que deixou um registro de horrores indescritíveis.

Basta assistirmos ao noticiário para ver que a loucura não arrefeceu, ela continua no século XXI. Um dos aspectos do distúrbio coletivo da mente humana é a violência sem precedentes que estamos infligindo a outras formas de vida e ao próprio planeta – a destruição de florestas, que produzem oxigênio, e de outros seres vegetais e animais; os maus-tratos aplicados a animais em propriedades rurais voltadas à produção comercial; e o envenenamento de rios e oceanos e do mar. Motivados pela cobiça, ignorantes da nossa interdependência do conjunto como um todo, persistimos nu comportamento que, se continuar indiscriminadamente, resultará na nossa própria destruição.

 

As manifestações coletivas de insanidade que se encontram na essência da condição humana constituem a maior parte da história da nossa espécie. E, em grande medida, essa história é de loucura. Se ela fosse o relato do caso clínico de uma única pessoa, o diagnóstico seria: ilusões paranóicas crônicas, propensão patológica para cometer assassinato e atos de extrema violência e crueldade contra inimigos imaginados – sua própria consciência projetada exteriormente. Um insanidade criminosa com breves intervalos de lucidez.

Medo, cobiça e desejo de poder são as forças motivadoras psicológics que estão por trás não só dos conflitos armados e da violência envolvendo países, tribos, religiões e ideologias, mas também do desentendimento incessante nos relacionamentos pessoais. Elas produzem uma distorção na percepção que temos dos outros e de nós mesmos. Por meio delas interpretamos erroneamente todas as situações, o que nos leva a adotar uma ação equivocada para nos livrarmos do medo e satisfazermos nossa necessidade interior de alcançar mais, um poço sem fundo que nunca pode ser preenchido.

Numerosos ensinamentos espirituais nos dizem para abandonar o medo e o desejo. Mas, em geral esses métodos espirituais não atingem esse objetivo. Não chegam à verdadeira causa do distúrbio. Medo,cobiça e desejo de poder não são os fatores causais supremos. Tentar ser uma pessoa boa ou melhor parece algo recomendável e evoluído a fazer; ainda assim, não é um empreendimento que alguém consiga realizar com total sucesso, a não ser que ocorra uma mudança em sua consciência.

Ninguém se torna bom tentado ser bom, e sim encontrando a bondade que já existe dentro de si mesmo e permitindo que ela sobressaia. No entanto essa qualidade só se distingue quando algo fundamental muda no estado de consciência da pessoa.


« voltar